Home > DESTAQUE > Governo Federal lança programa para combater incêndios em MS e 10 estados

Governo Federal lança programa para combater incêndios em MS e 10 estados

///
Comentários desativados

Em ação inédita no país, o Ministério da Justiça e Segurança Pública lança nesta quinta-feira (22/7), o primeiro Plano Estratégico Operacional de Atuação Integrada no Combate a Incêndios Florestais. Os trabalhos de prevenção, repressão e investigação serão desenvolvidos em Mato Grosso do Sul e outros 10 estados.

Com foco no planejamento e antecipação, o Plano prevê a disponibilidade de quase seis mil profissionais para atuar nos casos relacionados a queimadas e outros crimes ambientais na Amazônia, Cerrado e Pantanal.

A Operação Guardiões do Bioma terá início conforme necessidade e demanda dos estados entre os meses de agosto a novembro.

Além de MS, os profissionais vão atuar no Amazonas, Amapá, Acre, Maranhão, Mato Grosso, Pará, Rondônia, Roraima, Tocantins e Goiás.

Últimas Notícias

“Com a soma de esforços e integração entre União e Estados vamos mostrar para o mundo que o Brasil está engajado na preservação de seus biomas. Esse é um compromisso do governo Jair Bolsonaro e que estamos concretizando nesta ação inédita, envolvendo três Ministério e mais de seis mil profissionais atuando na ponta”, ressaltou o ministro da Justiça e Segurança Pública, Anderson Torres.

A ação envolve também os Ministérios do Meio Ambiente e Desenvolvimento Regional, Secretarias Estaduais de Segurança Pública e de Meio Ambiente, além do Conselho Nacional dos Corpos de Bombeiros Militares do Brasil (Ligabom).

Os bombeiros militares dos Estados terão papel relevante na coordenação local dos trabalhos.

Todas as unidades da federação colocaram profissionais especializados para participar da Operação Guardiões do Bioma em apoio aos Estados onde a situação é mais crítica.

O Ministério da Justiça e Segurança Pública fará o trabalho de coordenação e integração entre os órgãos envolvidos, além do pagamento das diárias para bombeiros e policiais militares ambientais reforçarem o efetivo.

Fonte: Correio do Estado